18.4.13

Magreza extrema ou preconceito

Hoje trago-vos mais uma polêmica do mundo fashion!

No inicio de Abril, a marca River Island (que eu adoro =D) lançou a sua nova coleção com um campanha com vestido lindos mas, aparentemente, uma modelo que nem tanto.
Quando a campanha foi lançada, as redes sociais começaram a ser bombardeadas com comentários de tudo, menos da coleção. A marca tem recebido comentários indignados pelo corpo da modelo, considerada pela maioria como magra demais para as medidas comuns. Por exemplo, comentários como "Estimular este tipo de corpo é imoral e repugnante" ou "Porque é que estas meninas não se exercitam em vez de passarem fome" foram bem comuns na página do Facebook da marca River Island.


Eu sou magra, peso 52Kg distribuídos por 1,65m. Não tenho restrições na alimentação pela gordura, mas as dietas que faço e alimentação saudável são fruto de uma opção para um corpo saudável e não porque quero ser magra. A verdade é que os meus genes são magros e não posso esperar por mais nada a não ser aceitar o meu DNA (=D). 

Confesso que não gostei muito da campanha, mas pelo facto de eu achar que os vestidos estão desfavorecidos, já que são super estruturados e por isso mesmo mereciam um corpo mais "compostinho", digamos. Mas só por isso... A modelo é linda e as fotos estão fantásticas e, sinceramente, não a acho portadora de uma magreza assim tão extrema (não vejo assim tanta diferença nos braços dela em relação aos meus...).

A mim parece-me um caso de mais um preconceito idiota, mesmo porque tenho quase a certeza que se a modelo fosse "cheiinha" toda a gente ia achar a campanha super bacana, porque as plus size também têm a sua beleza (e eu concordo). Mas então qual é a diferença entre usar uma modelo plus size ou uma magra? Magreza extrema é tanto doença (ou código genético) como gordura.

E vocês? O que acham desta polêmica?

XO
*Nazaré*
Comentários
0 Comentários

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comenta aí que eu vou amar saber que você está desse lado...=D

Fan Page